sexta-feira, 18 de agosto de 2017

terça-feira, 25 de julho de 2017

Eu quero uma casa junto ao mar...

Quero uma casa com piscina em frente ao mar.

Quero uma casa com um jardim grande para jantares entre amigos em noites quentes.

Quero uma casa onde possa reunir os primos em jantares que se prolongam noite dentro.

Quero acordar, abrir a janela e sentir a maresia.

Quero a permanência deste amor maior, quem sabe 3 filhos, pelo menos uma menina, para que eu possa comprar vestidos, laços e encher de purpurinas.

Quero sentir os meus pais sempre por perto. 

Quero a felicidade do irmão mais velho e quero a família sempre envolta  neste laço, nesta bolha em que entramos apenas por nos termos e sempre que estamos!

Quero o meu escritório, em que possa trabalhar mais e mais nas minhas áreas favoritas. 
Quero um escritório em que todos gostem um dos outros, em que as pessoas comuniquem e gostem de estar ali.

Quero as viagens, a comida, os cheiros e as pessoas. 

Quero ir.

Quero também nunca perder esta vontade de abraçar o mundo e mais do que isso nunca perder esta vontade de sonhar.

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Maria Rapaz ou Maria Capaz?!

Cresci no meio de primos, maioritariamente homens. Com a influência de uma prima que me ensinou a ser Maria r(C)apaz.

Por Maria r(C)apaz diga-se criança livre, de pé descalço, com vontade de correr em frente e quem sabe alcançar o mundo.

Cresci com liberdade.
A liberdade do cimento, das corridas, do pé descalço, do banho na água gelada do tanque, dos joelhos esfolados e o cabelo sempre ao vento. 

Tentavam colocar-me vestidos, fitas no cabelo.

Eu gostava dos vestidos, dos folhos e das fitas, mas todos os dias rasgava os collants, todos os dias perdia um brinco ou chegava a casa suja de terra.

Não sei se terei filhas, mas gostava. 

Assim como gostava de conseguir transmitir a todas nós, que somos donas do nosso corpo e principalmente da nossa felicidade.

Que todas tenhamos garra e vontade de alcançar quem sabe o mundo, persistindo e insistindo nos nossos sonhos.
Como quando eu fazia papas com terra e imaginava que estava a comer o melhor banquete.

Gostava que todas sentíssemos a liberdade, a mesma que sentimos quando tiramos aquela sandália que nos apertou os pés o dia todo, ou desapertamos o soutien.

Umas gostando de folhos e vestidos, outras de pólos e calças largas.

Não interessa. Porque o mundo é feito de Marias Capazes.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Lembram-se do "mexeu com uma, mexeu com todas"?

Em que como mulheres nos unimos contra o assédio sexual, o estupro, a desigualdade de géneros?!

Porque não adoptar isso na vida e não só em momentos virais?!

Porque não encarar isso como um lema?! 

Bem sei que não temos de gostar de todos. Não temos de gostar de alguém só porque é mulher. Não temos de gostar de alguém quando nem sequer nos identificamos em termos de personalidade.

Mas quando acabará esta crítica destrutiva?!

A crítica do dizer mal só porque sim, sem fundamento ou razão aparente.
Umas vezes talvez por inveja, outras vezes apenas por ter demasiado tempo livre.

Mas não poderemos  ser realmente solidárias umas com as outras?! No dia- a-dia, em qualquer ocasião.

Já pensaram que quando alguém comenta uma foto com: "estás horrível com essa roupa", "que cabelo é esse", "que feia", nunca diria isso pessoalmente?! 

Então com que direito achamos que podemos fazer um comentário maldoso apenas e só por estarmos atrás de um computador?!


Sabem aquelas bruxas que invejam o corpo mas dizem "o que adianta ter a barriga colada às costas, com aquela cara ninguém lhe pega"; 
As bruxas que sabem que o rapaz tem namorada e isso ainda lhes dá mais gozo; 
As bruxas que pela frente são uns amores e pelas costas fazem-te a folha;
As bruxas que se fingem amigas e no final são só amigas da onça;
As bruxas que tecem comentários como "subiu na horizontal".

Se tudo isto terminasse e se realmente o lema "mexeu com uma, mexeu com todas" fizesse parte do coração de cada uma de nós, o mundo seria um lugar muito mais bonito!

terça-feira, 11 de julho de 2017

As argolas voltaram!

"São boas para colocares papagaios", dizia o meu tio.

Quanto maiores mais giras, algumas até coloridas. 

As argolas voltaram e eu adoro!






segunda-feira, 10 de julho de 2017

10 de Julho de 2016!

É caso para perguntar: lembras-te o que fizeste nesse dia?!

Uma data que ficará para sempre na memória dos Portugueses.

Eu estava num casamento. Casamento esse que foi celebrado em dose dupla. Pelos noivos e por todos nós.

O dia em que Portugal ganhou o Europeu. 

Sim, é só futebol. 
Mas acho que mesmo sendo "só futebol" consegue trazer tão mais do que "só futebol".

Terei sempre de falar no plural, porque a vitória foi deles, que ali estiveram dentro do campo, mas também foi nossa. 

Nossa, de todos aqueles que acreditaram, torceram e vibraram com um grupo de mosses a correr atrás de uma bola representando um País. O Nosso. Nós ganhamos!

Não foi bom?! Eu acho que foi maravilhoso!






terça-feira, 4 de julho de 2017

Quando é que a comida se tornou tão enfadonha?!

Confesso que não dei por ela, isto é, não tenho noção de quando tudo isto começou.

Mas agora, olho à minha volta e vejo que a maior parte das pessoas come por imposição da sociedade.

Comem carne porque é proteína; sementes porque saciam; cortam-se os hidratos porque engordam, ou então entram os integrais; pão só escuro, no máximo 1 por dia; arroz e feijão juntos nem pensar; temos de verificar todos os componentes; leite faz mal dizem uns, bem dizem outros.

Quando é que isto se tornou um tédio?! 

Sabem que arroz com feijão é delicioso, não sabem?! 
Então se for o feijão preto da minha tia Toninha, nem se fala.


Nada contra a vida saudável, o culto do corpo, do fit ou do querer durar até aos 100 anos, mas esqueçam as paranóias, isso só nos torna uns robots criados por imposição dos outros.

Que um bom presunto, um belo bife e uma boa feijoada, continuem a ser um dos prazeres da vida, é o que vos desejo!

Tão bonita!




Sofia Ribeiro nos Emmy!

Das mulheres de força, que nos fazem acreditar que com coragem e resiliência é possível! 

A Sofia Ribeiro é uma delas!

segunda-feira, 3 de julho de 2017

É isto!


- Parabeniza pelas vitórias dos outros!

- Partilha informações!

- Sê alegre!

- Elogia!

- Aprende e continua a aprender!

- Sê grato!

- Estabelece metas!

(...)

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Borboletas!

"Quando depositamos muita confiança ou expectativas em uma pessoa, o risco de se decepcionar é grande.

As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas, assim como não estamos aqui, para satisfazer as dela.

Temos que nos bastar... nos bastar sempre e quando procuramos estar com alguém, temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque gostamos, porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém.

As pessoas não se precisam, elas se completam... não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida.

Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com a outra pessoa, você precisa em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe também que aquela pessoa que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente, não é o homem ou a mulher de sua vida.

Você aprende a gostar de você, a cuidar de você, e principalmente a gostar de quem gosta de você. 

O segredo é não cuidar das borboletas e sim cuidar do jardim para que elas venham até você. 

No final das contas, você vai achar
não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você!"
Autor Desconhecido.

terça-feira, 20 de junho de 2017

Verdade, é um mundo selvagem!

Em que as pessoas não dizem o que sentem e têm duas caras.

Não sei lidar com isso, ou melhor, não gosto de lidar com pessoas que não são genuínas.

O que vão ganhar com isso?! Será sempre a questão!

Não podemos ser só sinceros, sem querer o mal do outro?!

Não podemos dizer a verdade, de forma transparente e clara, sem pensar em lixar o outro?!

Podemos deixar de dizer sim a todos, só para ficar bem?!

Podemos pensar que pelo facto da outra pessoa não pensar como da mesma forma, não têm de estar contra nós? Apenas com gostos, opiniões, posturas diferentes?!

Para quê sermos injustos, mentirosos, egoístas, maldosos, lambe botas?! Alguém me explica?!

Não consigo compreender. Não consigo aceitar que se viva com o mal dos outros, que se queira o mal dos outros e que só se olhe para o próprio umbigo.

Podem dizer que nunca serei a maior do meu Bairro, mas se isso significa ter de passar por cima de qualquer pessoa, podem ter a certeza que não quero ser!

Podem dizer que sou ingénua, que as pessoas são assim, que a vida e o mundo é desses, eu não concordo. Nunca irei concordar e além de tudo, não quero pessoas dessas na minha vida.

Plantem o bem, queiram o bem, sejam genuínos, sejam verdadeiros, sejam fiéis e leias, o resto?! É treta!

terça-feira, 13 de junho de 2017

Oração a Santo António!

Oh meu Rico Santo António,
Sê lá meu amiguinho,
Arranja-me lá um marmanjo,
Trata desse arranjinho!

Não precisa ser modelo,
Só precisa ter bom ar,
Além dos dentes todos,
Quero que me leve a passear!

Que goste de comer bem,
E que não seja forreta,
Queira sair para dançar,
Desde que não seja careta!

Vamos lá Santo mailindo,
A ver se tratamos deste assunto,
Que Ele goste tanto de mim,
Como eu gosto de sandes de presunto!

Não precisa ter six pack,
Nem barriga de cerveja,
Quem sabe um moreninho e
Uma coisa que se veja!

Meu querido Santo António,
Trata também das minhas amigas, 
Elas são um pouco chatas,
Mas são boas raparigas!

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Eu gosto de gente que sorri para a vida...

Gente que sente que é bom aproveitar o pôr do sol, um mergulho no mar quente ou um mojito ao fim da tarde.

Gosto de gente que vive a própria vida, gente que fala alto, que ri sem vergonha e que demonstra aquilo que pensa.

Gosto de gente que sabe rir de si própria, que não tem medo de danças ridículas e se diverte numa simples tarde de sol.

Gosto de gente que valoriza as pequenas coisas e que vive com o bem dos outros, nunca com o mal.

Gosto de gente que partilha a felicidade e não tem medo de mostrar que também chora.

Gosto de gente clara, transparente, genuína e límpida, como a água.

Gosto de gente que me abraça com palavras quando estou triste, que ri dos meus disparates e disparata comigo.

Gosto de gente que anda descalça na terra sem manias ou não me toques.

Gosto de gente que é livre, que não vive amarrada a imposições, a não faças isto que fica mal ou não digas aquilo que não se diz.

Gosto de gente que cuida de quem gosta, que se preocupa, que quer estar presente quando gosta de alguém.

Gosto de gente que come costelinhas com as mãos, cebolas do talho com broa, como se de um banquete se tratasse.

Gosto de gente que é gente e de gente feliz!